Formação de professores: Espaço Maker para aulas de ciências mais interativas 

Sticky post

As aulas de ciências são de extrema importância para formar pessoas que consigam ler criticamente o mundo. Entretanto, não é uma tarefa fácil promover a autonomia e manter a atenção e o interesse dos estudantes. O conceito de Espaço Maker pode ajudar com isso, contribuindo com aulas de ciências mais interativas, dinâmicas e focadas em resoluções de problemas.  

A formação de professores para aulas mais interativas

A formação de professores deve considerar as principais dificuldades encontradas no processo de estimular a atenção e o interesses dos alunos. Além disso, deve-se investigar o que leva os educadores a não se sentirem confiantes para ensinar ciências do Ensino Fundamental I. 

Conforme um estudo feito por pesquisadores da Universidade Federal de Lavras (UFLA) e publicado na “Devir Educação”, uma das respostas tem relação com formação inadequada, de modo que “[…] a formação continuada poderia auxiliar a mudar essa realidade”.   

Como foi que esses cientistas chegaram nessa conclusão? Eles criaram um questionário e entrevistaram docentes de uma escola de Goiás. Assim, concluíram que uma das explicações para a insegurança em sala de aula tem a ver com: 

Os professores dos anos iniciais apresentam uma formação limitada em relação aos conteúdos científicos, o que confere pouca segurança para desenvolverem atividades nas aulas de ciências do Ensino Fundamental I”. 

Aqui entra um dos pontos mais interessantes. Eles comentaram que, muitas vezes, os professores precisam ensinar conteúdos que não fizeram parte da sua formação acadêmica. Ou seja, eles nunca tiveram contato com aqueles temas ou métodos. 

O mesmo assunto é contextualizado em um artigo publicado nos periódicos da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). As autoras comentam que o acesso à educação científica e tecnológica é um direito de todos na atualidade. 

Ou seja, de um lado temos o entrave de ensinar algo que não foi aprendido antes. De outro, a importância disso, inclusive, como direito de todos. Então, o que fazer? Sem dúvidas, a educação continuada de professores é uma das respostas para a pergunta. 

A BNCC na formação continuada dos professores 

A BNCC é a Base Nacional Comum Curricular, um documento normativo que define os processos de aprendizagem para os alunos, indicando etapas e modalidades da educação básica. O principal objetivo é definir competências e habilidades a serem desenvolvidas a partir dos conhecimentos curriculares. 

Atualmente, todas as redes de ensino adequaram seus métodos a partir da BNCC, sendo uma referência para as novas necessidades dos estudantes. Do mesmo jeito, gera possibilidades para criar ambientes mais propensos a resolução de problemas. 

E quando fazemos um paralelo com o estudo dos pesquisadores da UFLA, notamos que incorporar práticas atuais na sala de aula ainda é um desafio. “Evidenciamos que os docentes, […] também admitiram falhas em sua formação inicial e continuada”. 

Ainda que, conforme artigo da UTFPR, o incentivo às novas tecnologias contribui para o desenvolvimento intelectual das crianças, auxiliando na aprendizagem de todas as áreas, 

“[…] Torna-se essencial uma formação de professores consistente e contínua, aliada a uma cultura de trabalho coletivo entre os pares na escola e o compromisso com a realização de um ensino de ciências de qualidade”, conforme autoras do artigo da UTFPR. 

Então, a reflexão que fazemos é: onde buscar essa qualificação profissional, adjacente a formação de professores? Afinal, são oportunidades que auxiliam na maximização do conhecimento científico e transposição didática. A resposta está a seguir.  

O Espaço Maker para aulas de ciências mais interativas 

O Espaço Maker está ligado aos conceitos de Cultura Maker e Educação Maker. 

  • Cultura Maker – surgiu nos Estados Unidos na década de 1960 com atividades que estimulam a criatividade, colaboração e empreendedorismo. Saiba mais.  
  • Educação Maker – forma de educar com caminhos para que as crianças aprendam com experiências ricas e engajadoras. Entenda mais sobre o conceito aqui.

A partir disso, o Espaço Maker pode ser definido como uma nova sala de aula. Certamente, um lugar adaptado para que o processo de ensino-aprendizagem aconteça de maneira gradual, planejada, autônoma e incentivadora

É um mundo em que os alunos se tornam protagonistas da educação, integrando disciplinas e métodos, construindo pontes entre a capacidade de aprender e a busca por soluções práticas

O Espaço Maker é um dos instrumentos usados na plataforma Experimentando a BNCC, que você conhecerá no tópico a seguir. 

Experimentando a BNCC na formação de professores 

O professor deve estar preparado para dar suporte aos alunos e criar aulas de ciências mais interativas, tanto para reter a atenção deles quanto para incentivar os novos métodos. 

Essas condições favorecem a “promoção de educação científica voltada para a cidadania rumo a construção de uma sociedade mais democrática”, como concluíram os pesquisadores da UFLA. 

A Experimentando a BNCC é uma plataforma que apoia o ensino-aprendizagem mais dinâmico em sala de aula. Tem como principal característica as atividades “mão na massa”, alinhadas aos tópicos gerais da BNCC. 

Ao ter esse conhecimento, os professores terão mais confiança para entregar atividades que permitam aos alunos aprender ciências de maneira mais interativa. O que é importante, também, para aguçar o senso crítico sobre todos os temas das ciências. 

Os alunos são encorajados a serem mais participativos por meio de metodologias ativas que dão a eles autonomia durante os anos do Ensino Fundamental I. 

Experimentando a BNCC faz parte da Escola do Inventor, uma fonte gratuita de ideias para incentivar a formação de professores de maneira contínua e integrada. As atividades “mão na massa” podem ser acessadas gratuitamente na plataforma. 

Logo, um recurso educacional para a sua escola, promovendo a confiança dos professores e incentivando os estudantes a serem mais ativos. Para saber mais sobre como transformar as aulas de ciências em fontes interativas de aprendizagem, entre em contato: 

E-mail: joao@escoladeinventor.com.br / WhatsApp: 16-98131-3197. 

Aprendizagem criativa: a ciência de maneira divertida e engajadora

Sticky post

Existem métodos que permitem relacionar conteúdos curriculares da disciplina de ciências de maneira mais divertida e engajadora para os alunos. Um deles é a aprendizagem criativa, que incentiva experimentos e experiências na construção e manipulação do conhecimento. 

O seu principal entusiasta é Seymour Papert, um teórico que deixou muitos estudos publicados sobre os saberes dos estudantes e a motivação para aprofundá-los na prática. Portanto, se você tem interesse em ter uma sala de aula mais dinâmica, continue lendo. 

O que é a aprendizagem criativa?

Essa abordagem pedagógica sugere a criação de ambientes mais divertidos, que encorajem o conhecimento. Como consequência, permite uma aprendizagem mais lúdica, mais criativa e mais relevante.  

Sabe aquela ideia de aprender se divertindo? Essa é uma boa definição para aprendizagem criativa. Para tanto, há alguns princípios: 

  • Projetos, 
  • Paixão, 
  • Pares e 
  • Pensar. 

Essas indicações não têm ordem, podendo acontecer instantaneamente. Além disso, permite-se a inclusão de teorias conhecidas, novas experiências, reflexões pessoais e mais. É como um laboratório vivo, sem teto nem parede. É a prática e a teoria de mãos dadas! 

Alguns teóricos dizem que para esse tipo de processo acontecer, ele precisa ser em modo circular, como um espiral. Isto é, bem diferente do processo educacional linear e tradicional. Assim, usar materiais, ideias e inovação pode ser a melhor ideia na aula de Ciências. 

Atualmente os alunos já são protagonistas de suas próprias vidas, inclusive, com celulares nas mãos e a possibilidade de compartilharem suas criações. Na escola, eles também devem manter essa postura, sem ficar à mercê de uma didática tradicionalista que impossibilita novas descobertas. 

O construcionismo de Seymour Papert

Para embasar a teoria da aprendizagem criativa, ninguém melhor do que Seymour Papert. Ele está por trás dos principais estudos sobre o construcionismo, isto é, conjunto de ideias sobre o uso da tecnologia na criação de ambientes educacionais mais divertidos e engajadores. 

O conceito surgiu na década de 1960 a partir de uma síntese de Piaget com as novas tecnologias que estavam surgindo e emergindo nesses anos. Assim, nasceu o que seria a educação contextualizada, integrando conhecimento para aplicar em soluções. 

Um dos pontos mais interessantes do autor é que menciona as facetas sociais e afetivas em prol dessa construção. Ou seja, há espaço para a troca de experiências, considerando a tecnologia, assim como cultura, personalidade e motivação

O papel do professor na aula de ciências

A partir da teoria acima, o professor deve ser aquele personagem que incentiva e fortalece as potências de cada aluno, seja no individual ou no coletivo. Ele deve estar preparado e se sentir confiante para dar apoio aos estudantes em posicionamentos críticos e reflexivos. 

Essa nova abordagem pedagógica é que permite experimentar condições e formas de trabalho ainda pouco comuns. Assim, conforme Papert, é possível expandir as várias áreas do conhecimento e, inclusive, contextualizar com as ciências. 

Uma coisa é sistematizar e registrar as atividades. Outra, bem diferente que precisa ser colocada em prática o quanto antes, é testar e incentivar as percepções das novas gerações. É sobre trocar experiências e fazer muitos experimentos. 

A partir disso, os melhores caminhos se mostram com as metodologias ativas e o ensino “mão na massa”, ambos ligados à aprendizagem criativa. São ferramentas necessárias para que os docentes apoiem os estudantes em suas inovações, criações e aprendizados. 

Os experimentos científicos na sala de aula

Em uma plataforma de publicações online, encontramos um capítulo de um artigo que menciona o aprendizado construcionista baseado em Piaget e Papert. Os experimentos científicos em sala de aula criam uma aprendizagem criativa a partir de que: 

  • As pessoas constroem ativamente seu conhecimento, 
  • Articular os processos permite aprimorá-los, 
  • O aprendizado tem uma estrutura (conceitos e combinações) e 
  • Aprendemos com influência do ambiente. 

O artigo também menciona outros estudos acadêmicos, inclusive, com foco em encorajar os ambientes educacionais a investirem, cada vez mais, nas práticas construcionistas. Para tanto, há de se pensar em dimensões incentivadoras aos alunos, sendo: 

  • Pragmática – a sensação de aprender algo de uso imediato, 
  • Sintônica – sintonia com o que é importante para o aluno, 
  • Sintática – manipulação e combinação de materiais, 
  • Semântica – uso de materiais com significados e 
  • Social – integra as relações pessoais à cultura do ambiente. 

Portanto, uma ótima forma de aplicar a aprendizagem criativa em sala de aula, para ensinar ciência de maneira divertida, é realizar um trabalho pedagógico que contextualiza com o território e interesse dos estudantes.

Essa é uma proposta que vem do Papert e está presente também na BNCC (Base Nacional Comum Curricular). O desafio é construir ambientes que permitam o compartilhamento de experimentos e experiências em torno dos envolvidos. 

Experimentando a BNCC: formação continuada de professores

Até aqui, vimos que a aprendizagem criativa pode ser aplicada à sala de aula para potencializar o ensino de ciência. O que é feito construindo experimentos científicos de forma ativa e permitindo as experiências dos alunos, o que é incentivador. 

Mas, como fazer isso? A resposta está na formação continuada dos professores, que devem permitir e incentivar a construção do conhecimento se dá por meio da criação de objetos físicos e digitais. Isto é, o conceito conhecido como “experiência mão na massa”. 

Aliás, “mão na massa” é a base da proposta da Experimentando a BNCC, uma plataforma totalmente gratuita que objetiva auxiliar professores do Ensino Fundamental I na criação de atividades de aprendizagem criativa dentro das salas de aula. 

Para aplicar os conceitos do construcionismo de Seymour Papert na sua escola e incentivar os estudantes a serem mais ativos, entre em contato para saber mais sobre o Experimentando a BNCC: contato@escoladeinventor.com.br ou 16-98131-3197.

Educação STEAM: metodologias ativas no Ensino Fundamental contribuem para inserção no mercado de trabalho

Sticky post

As crianças que atualmente frequentam o Ensino Fundamental representam o futuro profissional do país. Embora essa afirmação possa parecer óbvia, sua importância é muitas vezes subestimada no contexto educacional diário, o que pode se tornar uma armadilha para os professores. Afinal, a maneira como instruímos esses alunos hoje terá um impacto direto e significativo em seus futuros individuais, tanto pessoal quanto profissional, e no desenvolvimento global da sociedade. 

Trabalhar com abordagens STEAM (acrônimo para Ciência, Tecnologia, Engenharia, Arte e Matemática) é uma maneira de transformar as experiências escolares e preparar os estudantes para os desafios da vida. Continue lendo este artigo para entender mais sobre como a Educação STEAM e as metodologias ativas podem impulsionar o futuro dos alunos e abrir portas no mercado de trabalho.

Educação STEAM e o mercado de trabalho

De acordo com o estudo realizado pela Conferência Nacional da Indústria (CNI), “Educação STEAM – Insumos para a construção de uma agenda para o Brasil”, as metodologias STEAM propõem um projeto educacional interdisciplinar dinâmico, que valoriza a experimentação, criatividade, autonomia, pensamento crítico, entre outras habilidades importantes que se tornam critérios essenciais para a entrada no mercado de trabalho. 

No Brasil, a abordagem STEAM avança nas escolas, ainda, de forma extracurricular. Segundo o estudo da CNI, as iniciativas se concentram em três frentes principais: programas educacionais de organizações não governamentais (ONGs); empresas educacionais com produtos STEAM; e colégios privados com atividades STEAM nos currículos.  

Como forma de subsidiar a construção de uma agenda nacional, os projetos STEAM Territory e a Escola de Inventor, apoiados pela Fundação Siemens, foram apontados no estudo como exemplos de iniciativas com abordagens STEAM que visam desenvolver as crianças para que se tornem adultos plenos na sociedade.  

O objetivo desses projetos sempre foi o mesmo: atuar na educação básica, onde se encontra o problema inicial acerca da dificuldade de encontrar profissionais mais criativos, com pensamento crítico e mais dispostos a solucionar problemas. É aqui que as metodologias ativas atuam.  

De forma mais criativa e que encanta as crianças, a educação por meio da abordagem STEAM pode alavancar o nível de formação dos jovens para o mundo do trabalho e para a vida em sociedade. Olhando para fora, diversos países estão ampliando essa agenda através de ações que integram governo, empresas e comunidade escolar, todos interessados em atingir melhores resultados na educação. O Brasil não vai ficar de fora, pode ter certeza.

O que a educação STEAM promove nas escolas? 

Ainda de acordo com o estudo qualitativo apresentado pela CNI, a partir de uma pesquisa realizada com 20 escolas de Ensino Médio nos Estados Unidos, foram identificados elementos-chave que podem ser considerados alguns dos pilares do movimento educacional STEAM. 

  • Aprendizagem baseada em problemas (PBL, na sigla em inglês): alunos resolvem problemas para atingir objetivos em comum, sendo projetos mais extensos ou resolvidos em apenas uma aula;  
  • Personalização do aprendizado: adequa-se o aprendizado às características individuais dos alunos; 
  • Carreira, tecnologias e habilidades para a vida: são desenvolvidas habilidades úteis para qualquer local de trabalho, como comunicação e gestão do tempo; 
  • Fundamentos do trabalho em equipe: comportamentos alinhados, como a colaboração entre as pessoas da equipe e desenvolvimento de lideranças.  

Esses fatores são reconhecidos como pilares de uma escola onde se aplica a educação STEAM. Tais pilares são ferramentas essenciais para auxiliar o desenvolvimento das crianças e preparar os jovens para a vida adulta de forma mais assertiva, desenvolvendo habilidades cognitivas e socioemocionais fundamentais para que tenham boa performance no mercado de trabalho futuramente.

Experimentando a BNCC: comece a utilizar a abordagem STEAM na sua escola

Vimos que o Brasil continua mal no ranking mundial de acordo com a avaliação do PISA 2022 (sigla em inglês para Programa Internacional de Avaliação de Alunos). Com a educação STEAM, é possível elevar a qualidade da educação no Brasil e aumentar o desenvolvimento econômico e social do país. Isso porque o uso de metodologias ativas desde o Ensino Fundamental pode impactar diretamente em como o aluno chegará no mercado de trabalho: mais criativo, proativo, disposto a solucionar problemas e com um pensamento mais crítico.  

O projeto Experimentando a BNCC é um recurso educacional aberto e totalmente gratuito desenvolvido pela Escola de Inventor, que possui o objetivo de ajudar professores do Ensino Fundamental I a inserirem atividades mão na massa dentro de sala de aula, com planos de aula em vídeo que abrangem todas as habilidades específicas de Ciências da Natureza da BNCC, que propiciam que professores e alunos vivenciem a experiência de ensino-aprendizagem de forma mais ativa. 

E para isso, a Escola de Inventor busca Secretarias de Educação que tenham interesse em receber acompanhamento para implementação do conteúdo disponível na plataforma de forma 100% gratuita, incluindo a formação dos professores, acompanhamento e suporte durante todo o ano de 2024.  

Transforme o jeito de ensinar ciências em sala de aula. Entre em contato conosco:  

E-mail: contato@escoladeinventor.com.br 
WhatsApp: 16 98131-3197

PISA 2022: Brasil mais uma vez nas últimas posições.

Sticky post

PISA 2022: Como metodologias ativas podem ajudar o Brasil a subir no ranking mundial? 

Os resultados do PISA 2022 saíram e, mais uma vez, o Brasil não ocupou posições satisfatórias no ranking mundial, ficando abaixo da média. O Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA, sigla em inglês), aplicado a cada três anos, é um dos principais exames educacionais do mundo realizado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

O objetivo dessa avaliação é identificar se as crianças e adolescentes do Ensino Fundamental dominam habilidades e competências nas áreas de leitura, matemática e ciências que são essenciais para um convívio pleno na sociedade. Com isso, eles analisam se os alunos possuem a capacidade de interpretar e desenvolver ideias aplicáveis no cotidiano com o uso do pensamento crítico. 

Na última edição, realizada em 2022, vimos que os jovens brasileiros não desempenham esse papel ainda. Dentre os 81 países participantes, o Brasil ocupou a 52° posição em leitura, 62° em ciências e 65° em matemática, ficando abaixo da média geral em todas as categorias. Esses resultados obtidos pelo PISA indicam que é necessário trabalharmos para melhorar esse cenário. Vamos começar entendendo os motivos que fazem o Brasil despencar no ranking mundial.  

Por que o Brasil vai mal no PISA? 

Na última aplicação do PISA, os especialistas perceberam que o Brasil não piorou nos resultados, mas permaneceu estável desde 2009. Por um lado, esse fator é animador, tendo em vista que o exame foi aplicado logo após a pandemia de Covid-19, quando as aulas presenciais foram suspensas e o ensino impactado.  

Por outro lado, os resultados apresentados pelos estudantes brasileiros sempre foram abaixo da média. De acordo com um estudo realizado pelo Instituto de Ensino e Pesquisa de São Paulo (INSPER – Centro de Políticas Públicas), “Por que o Brasil vai mal no PISA? Análise dos Determinantes do Desempenho no Exame”, os alunos brasileiros não apresentam um bom resultado porque grande parte deles não conseguem chegar ao fim da prova.  

Isso se deve ao fato de os jovens demorarem para entender o enunciado da questão e, consequentemente, para desenvolver o raciocínio lógico sobre a resposta. Os autores do estudo apontam que o mal desempenho está relacionado aos níveis de habilidades cognitivas. 

Ou seja, é essencial que os professores trabalhem de forma que os alunos entendam vocabulário, lógica e leitura e interpretação de texto no ensino fundamental. E aqui, a plataforma Experimentando a BNCC pode ser uma excelente aliada. 

Experimentando a BNCC com metodologias ativas 

O que vimos nos resultados do PISA 2022 é um norte para começarmos a repensar em como os conteúdos estão sendo trabalhados em sala de aula. Cada vez mais, o ensino não deve ser voltado apenas à transmissão de conhecimento pelo professor, mas para estimular os alunos a trabalharem o pensamento crítico e saberem como utilizar tudo que é aprendido na escola no seu dia a dia.  

Por meio da plataforma Experimentando a BNCC, desenvolvida pela Escola de Inventor com apoio e investimento da Fundação Siemens, é possível trabalhar metodologias ativas que estimulam o aluno a pensar de forma crítica que vá além das fórmulas de ciências, promovendo a criatividade, inovação, colaboração e o empreendedorismo.   

Os planos de aula em vídeo disponíveis são gratuitos e desenvolvidos em concordância com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Usando-a de suporte, professores podem trabalhar metodologias ativas fazendo com que as crianças do Ensino Fundamental I aprendam de forma mão na massa, auxiliando na promoção do Letramento Científico dos alunos e estimulando-os a criarem as bases de conhecimento prático, auxiliando-os a terem um desempenho melhor em avaliações, como a do PISA.

Experimentando a BNCC na sua escola 

Temos mais dois anos pela frente para trabalharmos a forma de ensinar ciências dentro da sala de aula e mudarmos a posição do Brasil no ranking mundial do PISA. Para isso, a Escola de Inventor busca por Secretarias de Educação que tenham interesse em receber acompanhamento para implementação do conteúdo disponível na plataforma de maneira 100% gratuita, incluindo a formação dos professores, acompanhamento e suporte durante todo o ano de 2024.  

Transforme o jeito de ensinar ciências em sala de aula. Entre em contato conosco:  

E-mail: contato@escoladeinventor.com.br 
WhatsApp: 16 98131-3197 

Experimentando a BNCC: Planos de aula em vídeo com atividades mão na massa de ciências para Ensino Fundamental  I

Ensinar Ciências no Ensino Fundamental 1 é algo que pode ser feito de forma engajadora e divertida, quando apoiado por meio das chamadas Metodologias Ativas.

Imagine-se em sala de aula, diante de um conteúdo complexo que consta na Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Mas vá além, e imagine que além de apresentar textos, explicar e aplicar uma prova, você precisa garantir que as crianças aprendam, de fato, aquele conteúdo. 

Mais do que cumprir a BNCC, os professores desejam que todas as crianças saibam aplicar – e até mesmo ensinar – fora da escola o que aprendem em sala de aula.

Por isso, trabalhar os conteúdos de ciências com uma aprendizagem mão na massa e ativa pode transformar a sua sala de aula em um ambiente de experimentação, descoberta e criatividade.

A plataforma Experimentando a BNCC foi desenvolvida pensando justamente nisso: apoiar o processo de ensino-aprendizagem em sala de aula por meio da proposição de atividades mão na massa alinhadas a BNCC.

Interessante, não é mesmo?

Experimentando a BNCC e Metodologias Ativas 

A plataforma Experimentando a BNCC foi desenvolvida para facilitar a inclusão de atividades de ciências em sala de aula por meio de planos de aula em vídeos.

O objetivo é entregar atividades mão na massa para serem desenvolvidas com os alunos do Ensino Fundamental 1 e, por meio delas, garantir que as crianças não só aprendam ciências, mas tenham um pensamento crítico sobre a atividade desenvolvida e sobre a vida.  

As videoaulas são pautadas em Metodologias Ativas, que visam desenvolver a autonomia e o protagonismo do estudante durante seu período na escola.

Os alunos são encorajados a desempenhar um papel mais ativo no seu próprio processo de aprendizagem, enquanto os professores assumem o papel de orientadores, acompanhando o desenvolvimento prático do que foi ensinado.  

A importância de Metodologias Ativas no Ensino Fundamental 

O momento de aprendizagem de conceitos científicos em sala de aula é uma oportunidade para preparar os alunos para os desafios que os aguardarão quando crescerem, desenvolvendo habilidades sociais, pessoais e tecnológicas desde cedo.

Dessa forma, as metodologia ativas são uma poderosa aliada na construção de projetos STEAM – um acrônimo em inglês para ciências, tecnologia, engenharia, artes e matemática – que ao integrar os conhecimentos dessas áreas, colabora nessa missão ao estimular a proatividade, promover a inovação, cultivar a empatia e fomentar a criatividade, ao mesmo tempo em que desenvolve habilidades e atitudes essenciais para que os alunos se tornem bons adultos, críticos e bem capacitados.  

Escola de Inventor e Fundação Siemens 

Uma plataforma digital aberta e gratuita para que o professor possa se inspirar e criar uma série de atividades “mão na massa” ligadas às habilidades de Ciências que precisam ser desenvolvidas com os alunos, seguindo as diretrizes da BNCC, a Base Nacional Comum Curricular.

Batizada de Experimentando a BNCC, a parceria desenvolvida entre a Fundação Siemens e a Escola de Inventor vai incrementar o trabalho de docentes que precisam compartilhar conhecimento e fazer com que estudantes desenvolvam competências e habilidades esperadas ao longo da escolaridade básica, trazendo a aprendizagem criativa, a investigação e a experimentação. 

“Essa metodologia de experimentação científica, através da plataforma que é 100% gratuita, traz instrumentalidade aos professores para que possam desenvolver em seus alunos um melhor entendimento do mundo, por meio da aprendizagem criativa”, diz Livia Ribeiro Viana, da Fundação Siemens.

“Esse projeto teve o desafio de se reestruturado durante a pandemia, sendo construído a partir das práticas trazidas pelo Projeto Experimento original, mas acrescidas de novas atividades mão na massa em vídeo, que podem ser acessadas pelos professores diretamente na plataforma”, diz João Guilherme Camargo dos Santos, da Escola de Inventor.  

Experimentando a BNCC na sua escola  

A plataforma Experimentando a BNCC é um recurso educacional aberto e totalmente gratuito, que possui o objetivo de ajudar professores do Ensino Fundamental 1 a inserirem atividades mão na massa dentro de sala de aula, com planos de aula em vídeo que abrangem todas as habilidades específicas de ciências da BNCC. 

E para isso, a Escola de Inventor busca Secretarias de Educação que tenham interesse em receber acompanhamento para implementação do conteúdo disponível na plataforma de forma 100% gratuita, incluindo a formação dos professores, acompanhamento e suporte durante todo o ano de 2024.  

Caso tenha interesse em transformar a forma de ensinar ciências em sala de aula, entre em contato conosco!
E-mail: joao@escoladeinventor.com.br 
WhatsApp: 16 98131-3197 

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén